10 de dez de 2012

Calendário Naventura 2013

Galera,

Calendário 2013 da Naventura já saiu!!

Recheado de provas fantásticas!! Para quem gosta de desafios e emoção, não pode perder!!




26 de out de 2012

Inscrições: por que acabam tão rápido?

Olá pessoal,

Para muitos que acompanham as maratonas, ontem foram abertas....e encerraram, sim, encerraram em menos de 3h30 as inscrições para a Maratona de Berlim. A Berlin Marathon, tida como uma das queridinhas, com um dos percursos mais rápido e, logo, excelente para baixar tempo, sempre foi concorrida, mas o fato das 40 mil inscrições esgotarem em poucas horas, realmente foi uma surpresa para atletas, técnicos, jornalistas da área.
Inclusive houve um certo furor na fan page da prova, no Facebook, onde muitos atletas comentavam a rapidez com que as inscrições se esgotaram:
Facebook Berlin Marathon


Entretanto, como esse post não se restringe à maratona de Berlim, quem quiser saber mais informações sobre ela, Clique Aqui!!


Na verdade, essa situação ensejou um post de uma grande amiga, a Patrícia Gomes, a qual publicou em seu Facebook:

"As inscrições para a BERLIN MARATHON se encerraram em 3 horas... Fico pensando se a brasileirada fará como o ano passado, com Chicago. Arranja aquela confusão, todo mundo faz inscrição e o que acontece? Ou não vão, ou vão daquele jeito... Ouvi dizer que o maior índice de absteção é dos brasileiros..."

E isso gerou alguns debates, pois me fez lembrar que o mesmo acontece com o Ironman Brasil,cujas inscrições se esgotam em menos de 30 minutos e onde muitos se inscrevem sem mesmo estarem preparados ou, pior, sem terem disposição para se preparar.
É claro que intercorrências acontecem, ainda mais em provas com lastro de um ano entre inscrição-largada. Mas os que lesionam são uma minoria. Conforme foi comentado no post da Patrícia, muitas pessoas se inscrevem porque é moda, porque o amigo fez, porque a prova é famosa ou a cidade é legal.
Bom se for no quesito turismo, melhor é comprar um pacote de viagem e ir né?? Pelo menos a pessoa não tira a oportunidade de quem realmente quer correr e, por alguma razão, não pode estar em frente ao um computador naquelas 3 horas.

Coincidentemente, hoje enquanto estava correndo, ouvindo música, veio o podcast da CR no Ar ( Revista Contra Relógio ) no meu Ipod, especificamente o do dia 08/02/12, o qual guardei com carinho pois há uma participação minha. Acabei ouvindo-o para matar as saudades. Eis que, André Savazoni e Sérgio Rocha comentavam sobre a rapidez com que as inscrições da maratona de Chicago haviam se esgotado. E a mesma pergunta foi feita: por que as inscrições estão se esgotando cada vez mais depressa?
É claro que cada vez mais há pessoas correndo 42km, querendo superar seus limites, procurando a verdade no mito da maratona. Mas será que, uma prova que levou 06 dias para esgotar as inscrições em 2011, e 2012 levou menos da metade, realmente teve tantos mais corredores?? Há que se levar em consideração n.º inscrições e o n.º de concluintes... Se ambos permanecerem os mesmos, ou próximos, realmente não sei porquê se esgotam tão rápido, a não ser pelo medo de ficar de fora.

Ok, eu confesso: já fiquei em frente ao computador esperando o 'larga' de inscrições. No caso para o Ironman Brasil 2012. Esgotaram-se em 15minutos e, sim, eu consegui. Sei de muitos que ficaram de fora, por 'n' motivos. E sei de muitos outros que desistiram nos 11 meses subsequentes, inclusive às vésperas da prova.  Imprevistos acontecem, a todos.

Hoje ainda, enquanto relembrava meus primeiros 10km's para uma outra revista de corrida, que ainda será publicada, fiz um feedback rápido. São 10 anos nesse meio e na minha primeira prova de 10k (não haviam provas de 5km na época), a do SEST SENAT, organizada pela então SMEL/CTBA, éramos no máximo em 200 corredores, os quais tinham que devolver o número ao final e a senha plastificada. Contagem manual e certificado de papel. Era uma corrida a cada 2 meses. E hoje estamos aí, com até 4 corridas no mesmo dia, na mesma cidade. Fico feliz em ver tantas outras pessoas correndo, inclusive minha mãe! Na corrida da Caixa, totalizamos 3.500 corredores, entre 5k e 10k. É uma evolução MUITO grande em 10 anos.

Por isso, acredito sim que o número de corredores tenha aumentado, assim como de triatletas no caso do Ironman, e a vontade de superar novas distâncias é natural. No entanto, acredito que apenas quem estiver apto a fazer uma prova longa, ou tiver condições de se preparar efetivamente nos meses que separam a prova da inscrição, é que deveria fazer. Inscrever-se porque o amigo já fez, porque é bonito o lugar, porque  é cara ou porque dá 'status'...sinceramente, não é bacana. É egoísta e superficial. Tira a oportunidade de outro, o outro que realmente tenha o "Spirit of Marathon".

E você, o que acha? Por que as inscrições, tanto para as 'grandes maratonas' quanto para as provas de Ironman, estão se esgotando em horas? Deixe seu comentário...

Abraços!


22 de out de 2012

Circuito Cross Country Naventura - etapa SJP

Ok ok...sei que estou atrasada nos posts das últimas provas... Em parte culpa minha (mea culpa!) que acabei me enrolando com problemas pessoais, prazos profissionais, e porque estava esperando as fotos da fotógrafa da prova...afinal texto sem ilustração não tem graça, né????

12. Out. 2012.
Feriado. Dia da padroeira do Brasil, N. Sra. Aparecida.

Amanhece garoando, ventando e frio, bem frio. Sendo a prova as 16h, eu ainda mantinha aquela esperança de São Pedro, em meio a sua bipolaridade, cessar a chuva e abrir um sol. O frio nem precisava aliviar..mas que parasse a chuva!!!
12h...13h..14h.. Ok, vamos arrumar a vestimenta para o barro, lama, chuvisco...(mas aquela esperançazinha ainda pairava).

Desta vez a corrida foi no quintal de casa. Na área rural de São José dos Pinhais, próximo ao pedágio da BR 277. Confesso que mesmo sendo daqui, não conhecia essa região e, como em todos os percursos da Naventura, fiquei maravilhada.

Mapa do local: clique aqui

A paisagem tipicamente paranaense: campos, araucárias (pinheiros), garoa, chuva, vento. Meu maior receio era escorregar pois o saibro estaria mais para enlameado do que seco.
Encontrar colegas, bate-papo, risadas e...todos a postos, 16h, a largada é dada...junto com uma BELA pancada de chuva.

Percurso da prova como sempre exigente. Muitas subidas...e uma delas constante...o que cansava ainda mais. Embora o tempo chuviscando...e da metade em diante da prova, vamos ressaltar que São Pedro fechou a torneira, o trajeto estava bom de correr. Sem pedras soltas ou poeirão.
O que adoro nesses percursos do Circuito Cross Country da Naventura, é a possíbilidade de conhecer lugares, nos quais eu não iria normalmente. E, ademais, curtir a vida rural, passar nas casas antigas, com chaminés de fogão a lenha, crianças em frente às casas (muitas delas sem muros altos, grades, cercas), e vibrando com o movimento de corredores...Eu digo que são 12km em que eu me desligo de tudo. Concentro no percurso e só 'acordo' quando cruzo o pórtico.

Com 3 postos de água no caminho, a corrida estava muito bem organizada. Sinalizada e com staffs nos locais necessários. Na chegada, farta mesa de frutas e local bacana para quem precisasse trocar de roupa (afinal, além da transpiração tivemos chuva!).

Corri bem. Motivada e muito determinada a RP. E o resultado não podia ser melhor: CAMPEÃ GERAL da prova, nos 12km.


Premiação ágil. O que é importantíssimo, ainda mais em dias de frio ou chuva.

PARABÉNS NAVENTURA!!!
Como sempre, adorei participar de mais uma etapa. E fico feliz em ver como a empresa cresceu!! Provas muito bem organizadas, de excelência e, acima de tudo, com respeito ao corredor!!
Obrigada pelo apoio!

E vamos que vamos para a próxima!!
Bons treinos, galera!!

1 de out de 2012

Circuito Corridas da Caixa e reflexão pós 4 meses


Foto: ARS Running


Ontem foi dia de Circuito de Corridas da Caixa - Etapa Curitiba. Mas vou voltar um pouquinho antes de final de semana. Quando planejei meu calendário de provas para 2012, neste fim de semana eu tinha marcado duas opções: 50k North Face Tiradentes ou Maratona de Floripa. Em razão do meu acidente no Ironman e do tempo em que fiquei em recuperação, infelizmente tive que abandonar tais ideias e me contentar com o que era possível fazer.
A oportunidade de correr os 10km do Circuito da Caixa aconteceu meio por acaso, e topei a ideia. Minha mãe se animou para os 5km, então, após 6 anos, retornei à corrida da Caixa. Sim, participei dos 10km em 2006, e ainda tenho a camiseta (direita) guardada.
Arquivo pessoal
Infelizmente não tive a semana que queria. Embora tenha mantido minha planilha 100%, tive alguns problemas pessoais, incluindo uma lesão reincidida e uma tentativa de assalto em minha residência, que 'baquearam' o psicológico. Cabeça péssima. Confesso que só fui correr no domingo por duas pessoas: minha mãe, que também ia fazer a prova e estava motivadona, e meu técnico.
Chegando na Praça Nossa Senhora de Salete, me veio um milhão de lembranças...principalmente das maratonas. Encontrando amigos de equipe, técnico, colegas de corridas, o astral foi aumentando. Há muito tempo não corria uma corrida de 10km de asfalto e dessas 'comerciais', com estrutura de assessorias, pessoal uniformizadinho, galera de academias. Enfim, uma realidade contemporânea, que há 10 anos quando comecei a correr, jamais pensei em ver.
Larguei mais ao fundo, para sair com a minha mãe, já que 5km e 10km largariam juntos. Acompanhei-a um pouco e fui para a minha prova. Voltei muitos anos passando por esse percurso. Fiz muitas provas nesta região...Corrida da Independência, Noturna, da Mulher, Saudável, Caixa, Maratonas...Algumas delas nem existem mais ou já mudaram de local e percurso.
O trajeto, aliás, bem pesado. Muitas subidas e descidas. Mas com o solzinho e ar não tão frio, ninguém poderia reclamar. Hidratação a contento e bem sinalizada.
Percurso

Confesso que "viajei" enquanto corria...comecei a lembrar das primeiras corridas de rua, do quanto já foi percorrido até aqui, quantas dores, quanto suor, quantos pares de tênis..rsrs E quantos amigos eu fiz nesse esporte. Reencontrar muitos deles foi um presente enorme neste domingo.
Foto: Nilton Alves Junior - CRC

Conclui os 10km com aquela sensação que deveria e poderia ter forçado mais. Depois, só alegria na confraternização com os amigos de equipe, na tenda.
Feliz demais em ver minha mãe completar mais uma corrida de 5km, sabendo do quão é difícil para ela treinar devido às suas ocupações diárias.
Arquivo pessoal
Embora não tenha feito tempo em que queria ter feito, o saldo final foi super positivo. Não sabiam que iriam premiar na categoria e quase fui embora, quando minha mãe ouviu...
Acabei pegando 3.º LUGAR na Cat. 25-29 anos. Poderia ter ido melhor? Sim, poderia. Tenho treino para isso. Mas não fui. Não há culpados..não foi culpa do percurso, nem do tempo, nem da dor..enfim, foi um daqueles dias que o psicológico brigou mais com o corpo e o fez correr o que deu.


Arquivo pessoal
Mas para mim a maior vitória não foi somente este pódio. A maior conquista foi, após 4 meses da minha fratura na coluna, fechar o mês de setembro com 3 pódios, 2 gerais e 1 na categoria. Isso é resultado de paciência, dedicação, determinação e, claro, o apoio de profissionais de excelência: meu técnico Alexandre Perdão e o Dr. Ed Zaninelli. Um pódio não se conquista sozinho...e há 4 meses atrás eu não tinha nenhuma perspectiva para pós-lesão. A única coisa que tinha em mente era seguir o tratamento dado pelo médico. E ter muita, mas muita paciência. Chorei muito...me irritei...não me conformava... Mas só hoje sei o quanto foi importante passar por isso. Não corri as provas que previa, mas estive com amigos maravilhosos, minha mãe e minha equipe. E isso, nada paga, nada compensa.

Obrigada a toda equipe Alexandre Perdão pelo carinho e pelo cuidado com os atletas - em especial meu técnico; ao Raul Curuchet Rabago pela iniciativa em apoiar o esporte e dar essa super ajuda para nós; a minha mãe sempre presente (e parabéns por mais 5km!); aos amigos sempre queridos e a Deus!! Sem Ele nada seria possível!

Bons treinos. Boa semana.

20 de set de 2012

4.ª etapa Cross Country Naventura

Olha aí pessoal!!

4.ª etapa do Circuito Paranaense de Corrida Cross Country!!
Dia 12/10, em São José dos Pinhais/PR!!

Distâncias 12km e 6km!!

Percurso novo com vista para a Serra do Mar e toda a excelente estrutura Naventura!!


http://www.naventura.com.br/CrC/CrC.htm

17 de set de 2012

Corrida Trilhas Parque Cambuí



Fala galera,

No último sábado, 15, corri a prova "Trilhas do Parque Cambuí", em Campo Largo/PR, que faz parte do Circuito Amigos da Natureza, promovido pelo Gilberto da Silva, em parceria com a Assessocor ( Informações sobre a prova )

Sobre o Parque Cambuí
O Parque Municipal Newton Puppi, antigo parque Cambuí, foi decretado parque municipal em 1989. Desde então ele tornou-se espaço para educação ambiental, assim como, para proteção de várias espécies da flora e da fauna, em seus 146Ha ( sobre o parque).
Muito bacana a história do Parque e como a Prefeitura de Campo Largo vem conduzindo as políticas ambientais e de uso e ocupação de solo em relação a ele. A oitiva da população, na maioria das vezes negligenciada, embora prevista em lei, é fundamental para que um projeto seja executado  de maneira satisfatória e que possa atender a sua destinação.Ainda, a ideia das cercanias específicas é essencial para evitar que as pessoas acabem degradando a área, porém mantem protegida a fauna local.
 Segue o resumo da história do parque, bem como as medidas para mantê-lo como unidade de conservação (como ambientalista e profissional da área urbano-ambiental não pude deixar de pesquisar a respeito):

"O parque fica a menos de 2km do centro de Campo largo e é um lugar muito aprazível para curtir a natureza, praticar esportes, passear e descansar. O local ainda possui o casarão, sede da antiga Subestação de Enologia. Conhecido como Parque Cambuí, o local é uma UNIDADE DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL e possui cerca de 1,4milhões de m², equivalente a 140 campos de futebol. O parque também possui trilhas ecológicas.
Desde 2006 o Parque Municipal Newton Puppi vem recebendo atenção especial do município. A elaboração e a atualização do Plano Diretor - também chamado Plano de Manejo do Parque - foram realizadas por uma empresa especializada. O planejamento iniciou com a realização de um diagnóstico, quando a população pode participar e apontar as deficiências e potencialidades do local. Para definir a melhor destinação para o parque, foram realizados fóruns e oficinas de discussão, que também contaram com a participação popular. Em março de 2007, a Prefeitura iniciou a contratação dos projetos específicos para atender as áreas destinadas à administração do parque, preservação ambiental e a prática de esportes e lazer.
Segundo o Secretário de Meio Ambiente, as obras destinadas ao espaço da natureza prezam pela preservação, conservação e manutenção da qualidade ambiental. O cercamento do Parque, por exemplo, está sendo realizado com telas de proteção apropriadas para as Unidades de Conservação, que garante maior proteção a fauna e flora local, pois evitam passagem da população mas garantem o livre acesso de animais silvestres existentes como serelepes, cotias e gambás. A medida visa evitar o intenso fluxo de pessoas por trilhas secundárias, impedindo o acesso e o uso do parque para atividades proibidas como a caça e a extração e o corte de árvores nativas, por exemplo. Todo o planejamento tem como objetivo a organização dos espaços utilizados para a população, sem agredir os espaços reservados para a conservação ambiental."

  
Fonte: Prefeitura de Campo Largo

A prova
Bom, falando da prova... O percurso de 10km foi todo em estrada não pavimentada, incluindo, claro, as trilhas, as quais foram providenciais no calor de sábado a tarde. Como eu havia pedalado 60km pela manhã, senti um pouquinho as pernas a tarde, mas faz parte e o corpo tem que aprender a lidar com isso.



Largada pontualmente às 16h, pessoal dos 5k e 10k largaram juntos na pista de atletismo do parque. Confesso que demorei uns 3km para encaixar ritmo. Ainda bem que a cabeça manda e os outros 7km's foram melhores. Algumas subidinhas..descidinhas...porém o que mais pegou para mim foi o fato de estar muito seco e com muitas pedrinhas soltas na trilha. Mas nada que um pouco de técnica e cuidado não resolvessem o problema.
Nesta prova me deparei com uma situação que há muito tempo não percebia... Você está em uma trilha onde cabem 3 corredores lado a lado. Há dois corredores juntos e um logo atrás, que poderia muito bem desviar estes dois pelo lado esquerdo, entretanto, "colava no cangote" e ainda gritava "bi bi", para depois ir devagar na nossa frente!! Na primeira vez desviamos mas na segunda vez já achei que era provocação. Como percebi que este cidadão ia ficar nessa chateação, realmente acelerei para me livrar dele. Acredito que bom senso seja essencial em provas. Se você quer passar, é só desviar (porque havia espaço). Mas se você não mantém o ritmo, fica na sua. Ficar ultrapassando.. "bi bi" pra cá e pra lá...para ir devagar na frente, não é bacana. Estressa, incomoda e tira o ritmo.

No fim das contas, adorei a corrida e o local. O circuito Amigos da Natureza propicia provas muito bacanas, organizadas e que nos permitem conhecer parques e locais na região metropolitana de Curitiba que usualmente não iríamos. Além da oportunidade em aprender um pouco a mais sobre a cidade, seus pontos turísticos e passar tardes agradáveis ao lado de amigos e fazendo o que mais gostamos: correndo!

Acabei conquistando o 2.º lugar geral feminino em 10km, ficando atrás da campeã por alguns segundos (confesso que tentei buscar, mas não consegui). De qualquer forma bati RP na distância e fiquei muito feliz com meu fim de semana e em ver que os treinos pós lesão estão a contento. Evolução, rendimento e resultados dentro do planejado. Fica aqui meu muito obrigada ao meu técnico Alexandre Perdão, que faz parte dessa conquista também!!!



E ainda teve longo de 18km no domingo...debaixo do solzão...um pra cada corredor ... Bom demais!

Parabéns ao Gilberto da Silva, pela prova; e à Assessocor pela parceria! Valeu!

Bons treinos e boa semana pessoal!

31 de ago de 2012

3.ª etapa Paranaense de Cross Country



No último sábado, 25 de agosto, aconteceu a 3.ª etapa do Circuito Paranaense de Corrida Cross Country, promovido pela Naventura Marketing, Esportes e Turismo, na cidade de Campo Magro/PR.
Campo Magro está situada na região metropolitana de Curitiba, sendo seu acesso pela Rodovia do Cerne, prolongamento da Manoel Ribas. Para chegar ao local da prova, o empenho já é necessário, mas como disse minha mãe: "as paisagens do percurso são a recompensa pela dificuldade em chegar." Ok, a dificuldade: a largada e chegada da prova era no Gramados do Palha, na base do Morro do Palha (conhecido por ser um dos melhores pontos para vôo de parapente), distantes 12km da rodovia do Cerne, por estrada de chão, como muito mas muito poeirão, pedras soltas, movimento de carros e motociclistas, além de estreita e com curvas fechadas. Ok. Vale muito a pena o esforço!!!



A largada se  deu as 16h, mas a concentração já se iniciou as 14h. Um lugar lindo, de energia contagiante. E segui para a retirada de kits...
Sempre com minha mãe, fiel escudeira e parceira de provas e aventuras.

As provas cross country da Naventura são conhecidas pelo grau de dificuldade, percurso fortes mas de paisagens incomparáveis e memoráveis. Os 12km foram em estradas não pavimentas, com muitos sobe-e-desce...aliás, mais sobes do que desces..rs Pra ser ter uma ideia, olha só a altimetria da brincadeira:

Altimetria da prova

Mas nada é mais recompensador do que correr em meio a natureza, passando por nascentes de rios, riachos de águas cristalinas, casas antigas e de madeira com as crianças na frente sorrindo e acenando, poder ver, a cada curva, o sol e o céu azul, por ângulos diferentes. Sempre acreditei que em momentos assim ficamos mais próximos de Deus...é onde o pensamento fica solto...livre... e nós totalmente integrados a natureza.
A cada 3km tínhamos postos de hidratação, com água geladinha, sempre com staffs bem humorados e atenciosos. Confesso que naquela secura, cada copo d'água era mais do que bem vindo. Estrada de pó, pedras soltas, todo cuidado era pouco...mas a emoção é o que nos move, é o que nos faz sair do asfalto e curtir novos desafios. Foi uma prova dificil. Aliás todas sempre são. Aprendi a respeitar cada prova, seja a distância que for. Subidas fortes, ar seco, poeira, pedras...mas que quando cruzamos o pórtico de chegada fazem ser meros detalhes.



Acabei conseguindo o 2.º lugar geral da prova, o que me deixou extremamente feliz por estar seguindo o caminho certo na recuperação da minha lesão na coluna, do Ironman. Devido ao volume de treinos, esforço que posso fazer, o treino de bike que já tinha feito pela manhã (60km) e um percurso pesado, confesso que foi mais cabeça do que pernas, mas pude confirmar, como sempre, meu técnico Alexandre Perdão sabe o que faz.
Quis chorar na chegada mas engoli o choro, afinal era um dia para ser comemorado com muita alegria!!!


Confesso que adoro as provas da Naventura porque permitem que conheçamos cidades da região metropolitana, em especial a zona rural destes municípios, e que normalmente não iríamos, mesmo estando perto e mesmo sendo pequenos paraísos. Eu já tinha esta opinião e ouvi de vários atletas nas provas, também. Além de nos possibilitar esse turismo, A Naventura consegue explorar municípios, tornando-os conhecidos, fomentando o turismo e comércio local.  Todos ganham.

Parabéns à Naventura (e Kleber Pacheco) por mais uma prova excepcional. Sempre com respeito ao atleta, prezando pela marcação correta de tempo, troféus bacanas, água no percurso e uma farta mesa de frutas na chegada. Staffs sempre prestativos, bem humorados e de super boa vontade! ( Naventura )
Parabéns também à fotógrafa Karin Christina, pelas fotos maravilhosas ( Fotos do evento ).
Obrigada Kleber Pacheco pelo convite e parceria.
Obrigada ao meu médico, Dr. Ed Zanineli, que me deixou em condições de voltar a treinar forte (mesmo me colocando freio o tempo todo da minha recuperação..rs) e competir novamente do jeito que eu gosto.
Obrigada ao meu técnico, Alexandre Perdão, a quem parte desse troféu pertence.
E, claro, obrigada Deus, por uma prova fantástica em um dia de sol perfeito.



24 de ago de 2012

Ironman Brasil 70.3 Penha

                                                    Ironman Brasil 70.3 - Finisher/2010


A todos os amigos, colegas e triatletas que amanhã  irão fazer o Ironman Brasil 70.3 em Penha/SC, desejo uma EXCELENTE PROVA!!!

Que os resultados almejados sejam alcançados, porém, se não for possível, esteja lá para fazer o melhor que puder.
Certamente você já é uma pessoa abençoada por ter a oportunidade de estar num ambiente fantástico e com um clima sensacional. Somente as provas do Ironman tem essa esfera mágica.
Acima de tudo, curta a prova, sinta cada momento e persiga sua meta. Você treinou e está apto para isso.
Se alguma intercorrência acontecer, sem problemas. Outras e outras provas estarão por vir. Tudo sempre será aprendizado.

Estarei aqui torcendo e morrendo de vontade de estar nessa prova novamente!!!
Sintam as vibrações positivas!!!
Grande abraço a todos os campeões e campeãs, vencedores dos treinos e da rotina torturante para conciliar treino, trabalho, casa e demais funções!

Força, foco e fé! Sempre!

16 de ago de 2012

E quando o treino quase não sai?



Dia lindo. Sol, céu azul, ar fresco. Seria perfeito para correr. Ainda mais depois de ficar tanto tempo parada, parece que cada dia tem um gostinho especial em poder correr.
Você se prepara, se arruma, checa todos os ítens e quando começa a correr: o corpo não vai. Uma aflição imensa, um mal-estar, cabeça quer parar a qualquer custo e você quase se rendendo àquela agonia inexplicável, pensa:

"Poxa vida!! Queria tanto voltar a treinar, pedi tanto ao meu médico pra liberar com segurança. O dia tá lindo, tenho saúde, tenho condições de estar cedo correndo. Meu treinador preparou meu treino com tanta atenção e cuidado. Que fraqueza estúpida é essa? Bora garota, bora deixar pra trás negatividades que nos emperram e curtir a oportunidade que Deus nos dá a cada amanhecer e fazer jus a ele."

Lembrei muito de uma grande amiga, como eu a chamo, uma irmã, que não está podendo correr...e sei bem o quanto é sofrido não poder fazer o que amamos. Puxei forças e segui. Debs Viana, foi pra vc!

E foi assim, pensando nos profissionais que me cercam e que com tanto carinho e atenção cuidam dos meus treinos, dos amigos que sempre acompanham e dos atletas que se espelham na gente e buscam motivação com as experiências, que eu conclui os 12km de corrida hoje.

Tem dias bons, dias ruins, e aqueles dias que você realmente não sabe o que aconteceu. Mas passou. No dia da prova não tem que pensar, é você com você mesmo, sem agonias ou pensamentos ruins. E treinos como o de hoje são ótimos para treinar o psicológico e mostrar que quem manda é a cabeça. Tudo tem seu tempo, paciência...perseverança e força sempre!

Bons treinos.




23 de jul de 2012

SBT Reporter Ironman

Galera...

Hoje tem Ironman Brasil 2012 no SBT Reporter!!

Matéria especial sobre o Iron desse ano!

SBT - 23h45!! Bora assistir!!!!!!


19 de jul de 2012

Esporte e vaidade - Parte II - PELE



Olá pessoal,

Em continuidade a sequência de posts sobre esporte e vaidade, esse é dedicado aos cuidados com a pele.

Estamos no inverno, o que castiga ainda mais a pele, principalmente para quem está em contato com a piscina (natação/hidro) ou se expõe ao frio, pedalando e correndo (também caminhando) ao ar livre.

Quando falamos em cuidados com a pele, aqui entram: sabonetes, hidratantes e óleos. Eu uso marcas específicas, porém vendidas em farmácias e supermercados, pois sou alérgica e chata com muitas coisas. Em razão do contato direto com o cloro a pele tende a ficar "esbranquiçada" e com o "cheirão" de cloro, por isso eu opto por sabonetes e cremes com 'perfume', porém não muuuuuuuuito perfumados pois enjoa (falei que sou chata!!!). Como uso perfume diariamente e, via de regra, fortes, evito hidratantes demasiadamente perfumados para não causar um mix enjoativo e repelente de pessoas.

Lembrando que estamos falando da hidratação do corpo. Pele do rosto requer um tratamento diferente e indicado por dermatologista.


Sabonetes

Temos a disposição sabonetes em barra e líquidos. Como os líquidos necessitam de esponja, eu acabei optando pelos sabonetes em barra em razão de praticidade para ir treinar e viajar. A esponja demanda cuidados redobrados de higiene, principalmente com fungos. Para quem vive com a necessaire na mochila de treino ou mala de viagem, não dá.

Eu uso sabonete para bebê por serem mais suaves e menos alcalinos. Os tradicionais "para adultos" ressecam demais a pele.



Também acho interessante os sabonetes de glicerina por serem neutros.




No quesito sabonete em barra, achei muito interessante esse artigo: sabonete em barra ecologico.

Como eu disse, é preferência minha usar em barra. Porém há vários sabonetes líquidos de excelente qualidade no mercado, alguns com alto poder hidratante, inclusive.

Sabonetes íntimos

Há algum tempo as prateleiras de supermercados e farmácias foram invadidos pelos sabonetes íntimos. Indicados por ginecologistas e dermatologistas, protegem as áreas íntimas de bactérias e fungos, diminuindo a possibilidade de infecções.

Atualmente temos o Dermacyd, Íntima, Vagisil, Eucerin, Íntimus, etc. De todos eles, só experimentei o Dermacyd e recomendo. Tira o desconforto deixado pela transpiração em treinos longos e também protege a região íntima do contato intenso com a água da piscina/mar/lago.

Quem se interessar pelo uso, esse site ( clique aqui ) traz uma avaliação (com notas) dos sabonetes íntimos mais populares do mercado. Vale a pena a consulta!!








Hidratantes

Pele que vai em piscina ou fica exposta às condições climáticas precisa cuidado redobrado. Seja pelo calor e pelo sol ou pelo frio, hidratar a pele é sempre importante!!!

Como a piscina em que nado é tratada com cloro, minha pele sempre fica com resquício do cheiro de cloro, além de esbranquiçada. Mas nada que um bom hidratante não resolva!!!

Já testei muitos cremes e loções, de várias marcas, nacionais e importadas. Como uso 2x ao dia, um pote vai fácil, fácil e, logo, não pode ser extremamente caro.







Dos hidratantes de farmácia, gosto muito do Vasenol, pele ressecada. Quebra um galho danado, pela relação custo-benefício.




Dos demais nacionais, o meu preferido é Nativa Spa, de O Boticário - Framboesa com Mirtillo e o do Açaí. São os que melhor tiram o odor do cloro. Além de perfumarem o corpo, sem enjoar, sendo perfeito para todas (sim TODAS) as ocasiões.

Victória Secret ja usei muito, nos idos de 2003 e 2004. Usei TANTO que não posso nem com o cheiro a 1km de mim. Embora continue amando a marca!!!

Óleos

Os óleos são conhecidos por perfumarem a pele, dando brilho e viço, impedindo que a pele perca sua umidade natural. De rápida absorção, eles garantem que a pele não desidrate, porém não possuem a função de hidratar profundamente como um bom creme.

Pesquisando um pouco mais sobre os óleos hidratantes, encontrei este site: Dez Óleos Hidratantes que explica direitinho a função de cada um deles e como atuam na pele. Se formos em lojas ou farmácias, iremos encontrar óleos bifásicos e trifásicos com a base em um desses dez. O óleo puro mesmo, como o de amêndoas ou rosa mosqueta, são bem gordurosos e não indico usar pois vai manchar a roupa, sim! Os óleos trifásicos e bifásicos, usados durante o banho, são uma excelente opção, lembrando, porém, que não devem ser usados todos os dias sob risco de obstruir os poros e deixar a pele oleosa. Vale a pena olhar este site que orienta bem certinho quanto ao uso.

Eu, confesso, usei há muito tempo os óleos da Natura, como o Séve. Mas ainda sou fiel ao creme hidratante.


No próximo post vamos falar de uma questão complicada: pelos! Depilação, esfoliantes e desodorantes.

Até mais! Bons treinos!!

















18 de jul de 2012

Promoção Lorpen

Galera,


A LORPEN está com uma super promoção no ar!!


MEUS PÉS TAMBÉM VIERAM!!!


Acessem : https://www.facebook.com/LorpenBrasil/app_412026835482533 e participem!!


Uso Lorpen há alguns anos e indico! E também estarei participando!


Boa sorte!!

17 de jul de 2012

Entrevista Programa Vera Rosa - Video

Até que enfim, galera!!

Pra quem não pode assistir pela TV, eis o vídeo da entrevista do dia 03/07/2012 para o Programa Vera Rosa da TV Transamérica, sobre minha carreira de triatleta e o Ironman!!


14 de jul de 2012

Braçadas solitárias

Curitiba, 14 de julho de 2012. Manhã gelada de inverno. 8h22 e o termômetro marcava 3ºC

São José dos Pinhais - região metropolitana de Curitiba
Como ainda não posso correr nem pedalar (treinos de transição bike/run eram sagrados aos sábados), o que me restou foi nadar. Tenho mantido obrigatoriamente treinos de 2.ª a 6.ª e no fim de semana apenas se a vontade for muito grande. Como hoje.
Frio? Que frio??? Tinha até sol!


Acredito que a pior parte em treinar no frio é se vestir e sair de casa. No momento que todas as coisas estão na mochila e você na rua...PRONTO! Não tem voltar atrás. Idem para pedal e corrida.  
Cheguei no clube, no horário costumeiramente mais movimentado (arriscando ter que dividir raia) e para minha surpresa, tinha UM CIDADÃO nadando. Ou melhor, terminando o treino e já alongando.
Quando caí na piscina estava sozinha. Luzes apagadas (só iluminação natural) e somente a secretária e a zeladora por lá. Nos primeiros 1000m do treino (eram 3000m), rolou uma tristeza por estar ali, em um sábado ensolarado, nadando sozinha. Faz falta ter alguém na raia ao lado para competir ou simplesmente estimular.
Na sequência do treino fui pensando, refletindo algumas coisas, mas tentando me manter concentrada no objetivo de cada série. Fechando 2000m pensei realmente em ir embora pois estava muito chato nadar sozinha, naquela penumbra, totalmente em silêncio.



Foi então que comecei a mentalizar as provas em mar aberto. Via de regra estamos em 'pelotes' na água, entretanto, a água é escura e sem música. Obviamente, você ouve o competidor ao lado ou um motor de barco (que odeio quando passam muito rente aos nadadores), e raramente as gaivotas. Mas de alguma maneira é você sozinho naquele marzão aberto. Mentalizei e condicionei meu corpo a agir como se estivesse em uma prova. E quando percebi, havia terminado os 3000m. 
Entendi, então, que dias assim são necessários para que percebamos todas as adversidades a que estamos sujeitos. E que, além do corpo, também é bom exigir do psicológico. Acabei pesquisando algumas coisas e encontrei este texto muito bacana: "Treinamentos psicológicos fazem diferença também para amadores" (clique para ler ) e percebi que não somente os treinos em que baixamos tempo ou saímos super exaustos são "treinões". Hoje foi dia de exercitar meu psicológico e minha paciência.


BONS TREINOS E ÓTIMAS BRAÇADAS!!!!

13 de jul de 2012

Snoopy e o triathlon

Para descontrair...
Porém pessoal, mesmo no inverno, com dias tão frios e alguns chuvosos, não vamos deixar de nos exercitar!! Depois para recuperar o tempo perdido e a boa forma para o verão é mais complicado, sem contar o "efeito sanfona".


10 de jul de 2012

Esporte e vaidade - parte I - Cabelos



Pessoal,

Depois de passar algumas dicas para a amiga corredora Aline Martinelli, que agora irá adentrar-se ao mundo da natação, pensei em colocar aqui no blog algumas ideias e dicas vaidosas sobre a natação e sua relação com os cuidados com cabelos, pele e unhas. Depois repensei e decidi falar dos cuidados com os cabelos tanto na natação, ciclismo e corrida.

Lembrando sempre que o que eu acho bom para mim, pode não ser para outra(o). Isso é muito pessoal. E as dicas valem para as mulheres e também homens que as puderem aproveitar. Mas fica aqui a ideia de compartilhar um pouco do dia-a-dia nas piscinas, estrada e pistas, que faz parte da minha vida há muitos anos.

Para o post não ficar muito extenso e cansativo, a parte I será sobre cabelos!!!

E obviamente, atletas (não só nadadores, nadadoras e triatletas) que quiserem compartilhar alguma dica ou segredinho, fica aqui o convite e o espaço!!! Somar dicas e ideias é sensacional!! Inclusive para trocarmos experiências.

Sintam-se a vontade para enriquecer a lista e dividir opiniões e ideias construtivas :)

Cabelos
Bom, meninos e meninas, cabelo e natação sempre foi um assunto complexo. Para aquelas (es) que tem cabelos tingidos ou química em geral, sabe mais ainda o desafio de mantê-los!!!


Shampoo e condicionador
Eu já experimentei muitas marcas de shampoo, condicionador, máscaras e leave-in. Não sou fiel a nenhuma em específico, porém alterno 4 marcas, todas para cabelos expostos a "vento, sol, cloro e sal" ou para cabelos tingidos e com mechas claras (que é o meu caso)
Máscara de hidratação
Sou fiel apenas à duas máscaras de hidratação, que faço 1x na semana em casa. 1x a cada 4 meses, se necessário, faço uma cauterização nos fios. São as máscaras:

Lancôme - HAIR SENSATION NUTRITION INTENSE.
Não é muito barata, mas rende muito. Se tiver algum conhecido no exterior, compensa pedir para trazer. Encontra-se fácil no DutyFree.
Ducray - NUTRICERAT
Igualmente à Lancôme, não é muito barata. Mas a consistência de manteiguinha faz render muito.
Leave-in
Confesso que gostava muito de um de queratina líquida da L'Oreal. Mas para quem usa diariamente, como é meu caso, acaba saindo caro.
O bom deles é que protegem do secador (confesso, eu uso direto), chapinha, babyliss e ainda protege para a próxima entrada na piscina, sem, no entanto, deslizar a touca.

DICAS

Não recomendo usar cremes ou óleos no cabelo antes de entrar na piscina. Primeiro porque muitos clubes e academias pedem a fim de evitar manchar a água. E também porque a cada saída ou virada, a touca vai deslizar e sair. Acredito que um bom tratamento pós-treino já garanta um bom resultado.

Já li várias dicas "caseiras" para evitar que o cabelo resseque ou fique "verde" quando a piscina for tratada com cloro. Desde usar leite até aspirina!!!! Confesso que não sou muito adepta de dicas caseiras, até porque não tenho muita paciência para misturar muita coisa e passar. Sou prática em tudo, inclusive com cabelos. Porém se alguém tiver algum segredinho que realmente funcione, por favor, pode mandar!!

Cloro e cabelos verdes: eu tenho mechas no meus cabelos há dez anos. E sempre treinando. Nunca tive problemas com o famoso cabelo verde (porque os cabelos ficam verdes ). Tinturas de boa qualidade e tratamento pós-cor adequados evitam que isso aconteça. Lavar com shampoo para cabelos de piscina é uma ideia para retirar todo o resquício de cloro. Entretanto, depois de fazer minhas mechas no salão, sempre evito, por recomendação da minha cabeleireira, entrar na piscina por 3 dias. É o preço da beleza.

TOUCAS

Quanto às toucas, sempre a de silicone e de boa qualidade. Temos várias marcas no mercado - Speedo, Hammerhead, Arena, Raia, Aquasphere,Nike - que variam de modelos simples, para o dia-a-dia, até os competitivos com design e função exclusiva.


Para quem tem cabelo comprido, repicado, franja, enfim, que necessite, de alguma forma, prendê-lo, JAMAIS, ok? JAMAIS usar grampos de cabelo!!! Além de furarem a touca, enferrujam facilmente.






TicTac's= São muito úteis tanto para nadar quanto pedalar e correr.
Já perdi algumas pedalando, pois o atrito do capacete com elas, fez com que escorregassem. Paciência.
Algumas enferrujam fácil, principalmente com a água da piscina e transpiração de corridas.
São baratinhas e podem ser encontradas em qualquer loja de bijouterias, R$1,99 ou loja de cosméticos.



Prendedores de cabelo = isso é bem particular. Eu prefiro os elásticos recobertos, pois prendem sem marcar, secam rápidos quando lavados e não arrebentam os cabelos. Para o comprimento e grossura dos meus fios, eles atendem bem às necessidades.
Há também os elásticos mais brutos, sem tecidos em volta, os quais eu acho que arrebentam os cabelos.
E ainda, aqueles com cobertos com muito tecido, que na minha opinião, fica ruim para colocar a touca de natação, além de demorarem para secar.

Pentes e escovas




Eu sou adepta de pentes para cabelos molhados e escovas para cabelos secos. Usava sempre o pente de madeira, por não deixar os cabelos estáticos e diminuir a quebra ao desembaraçá-los. Entretanto, li que não se usa pente/escova de madeira em cabelos molhados pois a umidade que fica neles, favorece o aparecimento de fungos.
Indico então pente plástico ou de silicone ( e aqui você pode ver qual a eficácia de cada pente e escova) para pentear os cabelos molhados e escova para escová-los quando secos.

Bonés e viseiras
Bonés sempre tiveram a fama de não deixar os cabelos respirarem. Eu sempre usei, até as viseiras invadirem o mercado. Sempre dei preferência à bonés com ventilação e de tecido que permitisse a transpiração. Entretanto, percebi que com a viseira, os cabelos "respiram" melhor e notei que diminuiu a queda quando penteio após lavar. Considerando que, às vezes, chego a correr por 3h seguidas, isso faz a diferença.




Ficam aí algumas dicas, galera. Quem quiser contribuir e dividir suas táticas de vaidade e cuidados com o cabelos, é só comentar!!
O próximo post será sobre os cuidados com a pele!! Fiquem ligados!

Bons treinos e até a próxima!



9 de jul de 2012

Corrida Trail galera!! Bora lá!! 12 de agosto!
Inscrições via Assessocor!!!





3 de jul de 2012

Programa Vera Rosa

Pessoal,

Hoje, 3.ª feira, 22h, entrevista comigo no Programa Vera Rosa, canal 59, TV Transamérica. Dá uma espiadinha no que vai ter:
http://www.verarosa.com.br/noticias/2012/07/confira-no-programa-vera-rosa-de-hoje-21/

Vamos assistir!!!

2 de jul de 2012

Fazendo as pazes com a natação




Estou há dias pensando em como escrever esse post. Na realidade estou devendo dois: este, sobre minhas pazes com a natação e o outro sobre a minha lesão.

Enquanto organizava as ideias para esse post, encontrei dois amigos cujas histórias "cairam como uma luva" para escrever e acrescentar, mostrando que problemas assim podem acontecer com qualquer atleta.

Esse ano perdi a vontade de nadar. Sim, perdi a vontade de praticar um esporte que me acompanha de pequena, do qual nunca larguei, nem mesmo nas férias. Simplesmente "tomei um bode" de nadar. Não tinha vontade de cair na água, me dava um mal-estar só de pensar em entrar numa piscina. Até aí tudo bem, você pode dizer: " então pedala e corre. Dá um tempo na natação." O único problema é que 2012 seria o ano do IRONMAN BRASIL.

Já fiz muitas travessias de 3000m, nado distância há muitos anos, porém 3.8k em um ironman, não é para se brincar. Confesso que nadei algumas vezes, claro, porém nem o mínimo necessário para o iron. Minha mudança para Brasília, para cursar meu doutorado na UnB, foi bem confusa e cheia de intercorrências, o que me fez demorar para procurar uma piscina para nadar. Quando recebi apoio de uma grande equipe brasiliense, com uma excelente estrutura para nadar, incluindo piscina e técnico, minha vida estava tão caótica (aulas no doc + aulas que lecionava em outras instituições + pedalar e correr+problemas pessoais) que a natação foi ficando, ficando, ficando. E o Ironman se aproximando, aproximando, aproximando.

Pedal e corrida estavam redondinhos. Perfeitinhos para uma boa estreia. Mas a natação era uma incógnita. Repensei na semana do iron se eu ia mesmo. Não estava confiante para nadar os 3.8k. Acabei indo para a prova, encorajada pelos amigos, familiares e treinador. Até brinquei na véspera da prova, com meu técnico e meus amigos: "se vcs me virem saindo da água, meu iron vai começar."





Encarei aquele mar lindo de Jurerê, de coração aberto...como meu técnico sempre me ensinou: "respeitando a prova." Sabia da minha quantidade de treino e da minha capacidade. Não abusei, fui dentro das condições. Fiz um tempo alto, porém dentro do esperado. Saí da água feliz, até porque não me afobei e nem senti dores no meu ombro esquerdo que tanto me perturbou nos pedais (principalmente clipada).

Acaso ou não, tive um acidente na prova, no km130 do ciclismo especificamente, que me retardou mais de 1h e me fez terminar o ironman com fortíssimas dores na coluna.

Na semana seguinte, ainda com muitas dores, procurei meu médico, o qual, após a ressonância magnética, diagnosticou uma "fratura na coluna sacracoccígea + edema na coluna + reincidiva da protusão discal na L5/S1", ou seja, tava com a coluna "ferrada". Recomendação: 8 semanas sem pedalar, correr, atividades de impacto, pilates, musculação, etc etc. Somente poderia nadar...sem viradas, sem peito ou borboleta, sem tiros, etc. Me deprimi demais. Principalmente ao acompanhar amigos voltando a correr e pedalar, as provas e principalmente não podendo participar da Ultramaratona Volta ao Lago - 55k solo, que estava inscrita. Isso me martirizou e machucou demais. Xinguei staff que me derrubou no iron, chorei bastante, argumentei com meu médico e desabafei muito com meus pais e meu treinador.

Porém eu ainda poderia nadar. Com jeitinho e disciplina, ele me liberou para pé de pato e palmar e tiros leves. É meu consolo, não só para não perder o condicionamento físico, como também para descontar o stress do dia a dia. Morro de saudades dos pedais de sábado e dos longos de corrida de domingo, porém não posso reclamar, pois ainda posso nadar. E tenho melhorado muito meu nado. Acho que estou nadando muito melhor do que há um ano atrás. Nado todos os dias, média de 3k a 4k. Saio da piscina moída, como eu gosto.

E o principal: fiz as pazes com a natação. Voltei a ter a paixão que sempre tive pela água, a vontade de nadar rápido e melhorar meus tempos. Voltei a encontrar prazer em estar imersa em cloro, em sentir braços cansados.

Nessa ultima semana conversei com uma grande amiga, a qual me surpreendeu ao me dizer que não nadava há 3 meses porque "não tinha vontade, tomou bode". Exatamente como eu estava antes. Sem motivo ou razão aparente, perdemos a vontade de nadar. Ainda, conversei com um colega nadador que também estava em uma "deprê aquática". Percebi então que era algo recorrente. Mas acredito que sejam fases e que elas nos permitem entrar em contato com coisas importantes que estavam escondidinhas, nos redescobrirmos e não deixar de lado o que nos faz bem. Tudo tem sua hora e seu tempo.

E isso me fez pensar... Para quem ficou quase 5 meses sem vontade de nadar, agora é o que me restou. E fiz as pazes com a natação. Nada nessa vida é por acaso. Eu tinha uma história mal resolvida com a natação que o tempo se encarregou de colocar no lugar. São fases. E essa só tem me ensinado.

Por isso, jamais desanimar. Cansou? O tempo faz tudo ficar no lugar. As vezes o melhor é dar um tempo e sentir necessidade de voltar. E outras vezes, a própria vida nos coloca no caminho novamente, sem muita explicação. O que importa é que nos faz bem e, no caso da natação, é condição sine qua non para me manter "lúcida" no dia a dia. Não vejo a hora de voltar a pedalar e correr. Enquanto isso, estou mergulhando intensamente na natação.






29 de jun de 2012

ZeroD e Alexandre Ribeiro

Na última quinta-feira, 28, aconteceu o evento de lançamento da linha de triathlon da marca francesa ZeroD, em Curitiba, através da LifeFitness Sul. 

O coquetel de lançamento ocorreu nas dependências da Academia Be Happy, bairro Agua Verde, na capital paranaense, e contou com triatletas, treinadores e simpatizantes do triathlon que foram verificar as novidades e também curtir as palestras do técnico da equipe olímpica, Homero Cachel; o medalhista pan-americano Virgilio de Castilho; e o pentacampeão do Ultraman, Alexandre Ribeiro.
Em um ambiente descontraído, os três palestrantes contaram suas histórias, trajetórias no esporte e deram lições de disciplina, determinação, simplicidade e muita garra. Contagiaram a todos que estavam assistindo. (confesso que eu mesma estava com vontade de sair dali e fazer outro Ironman...rsrs).  A realidade de que sem disciplina, determinação e esforço nada se consegue. E essa é uma das lições que o triathlon e as corridas me ensinaram ao longo desses quase dez anos de pista..

Ainda, pudemos contar com a apresentação da linha de vestuário de triathlon, da ZeroD - macaquinhos, tops e bermudas de alta tecnologia -, assim como os wetsuits - maravilhosos e comprovado porque são internacionalmente reconhecidos (quero um!) - que podiam ser testados (sim, test drive!!!) na piscina da Be Happy.

Fico feliz em ver mais opções (aliás, BOAS opções) no mercado curitibano do triathlon. Ganhamos todos com essas novidades.

Quem se interessar, poderá encontrar os produtos da ZeroD na LifeFitness Sul (Rua Carlos de Carvalho,2290, Batel, Curitiba).


                                                                                 Eu e o Ultraman Alexandre Ribeiro

27 de jun de 2012

Matéria Revista Contra Relógio

Pessoal,

Matéria feita comigo para Revista Contra Relógio (junho), pela jornalista Yara Achôa:

"Isso são horas de correr?" - p. 70.



20 de jun de 2012

Memórias pós Ironman

Pessoal,

Hoje estava lembrando de toda a minha preparação para o Ironman Brasil 2012.  E lembrei de uma matéria que foi feita comigo, pelo Diego Bandeira, do Blog Correr Para Crer, em setembro do ano passado. Diego que, alíás, me lembrou desse artigo no blog, quando terminei o Iron. 


"Embora já tenha tentado buscar patrocínio para poder treinar melhor e competir em provas de nível, mais técnicas, que requerem um grande preparo, Vivian diz que não tem pretensão de ser triatleta profissional porque ama a profissão que escolheu e confessa que não sabe viver sem um dos dois, pois já fazem parte da sua vida.  O seu objetivo é o Ironman Brasil 2012."

E 9 meses depois estamos aqui, com o Ironman Brasil 2012 concluído e em busca de novos objetivos. Ontem, em uma entrevista a um programa de televisão (em breve divulgarei data e canal), fiz um restrospecto de toda minha carreira no triathlon e no esporte em geral. E, ao final, me dei conta que são dez anos nessa rotina de treinos, dedicação e empenho. Em nível mais competitivo são 6 anos. E não vejo mais minha vida sem o esporte. 
O que aprendi em tantos anos, seja em perseverança, paciência, determinação e disciplina, livro nenhum ensina. Quando me perguntaram: "mas não é muito sofrimento, correr as 6h30 da manhã, no frio?" Eu digo: "pra quem gosta, é um prazer."
Assim que cruzei o pórtico de chegada do Ironman, com fortes dores em decorrência da fratura (tema do próximo post), disse pra mim mesma: "nunca mais tanto sofrimento". E repeti isso qdo encontrei a minha mãe. E ela: "amanhã vou te fazer a mesma pergunta e quero ver a resposta." SEM DÚVIDAS, mudou. Ja queria sentir a adrenalina de outro ironman, de outra prova, me preparar para os longos e exaustivos treinos. E agora entendo quem tem 6, 8, 10 irons nas costas... IRONMAN VICIA!!!!
Infelizmente não posso treinar agora, estou em recuperação Mas não vejo a hora de subir na minha bike e rodar....sentir o vento no rosto...a sensação de liberdade...de vida!! Também estou contando os dias para correr...sentir o coração bater forte...o pé tocar o solo...outra sensação de liberdade e de estar viva.  
Ironman é apaixonante! Cada metro, km, segundo, minuto, horas dispendido a ele foram recompensadores. Lembro, umas 2 semanas antes da prova, que conversei com meu técnico, Alexandre Perdão, e disse que não aguentava mais treinar, estava muito cansada e com dores. E ele me disse, no alto da sua experiência: "quando vc cruzar aquele pórtico, tudo vai ser recompensado." E foi. Valeu, coach! 

Vamo pra cimaaaaaaaaaa!!!!!!!

Bons treinos, galera!!

7 de jun de 2012

Ciclistas agora são kamikazes urbanos

Pessoal,

Hoje lendo alguns tweets, me deparei com um da Revista Época, o qual trazia a coluna de Luis Antonio Giron com o chamariz: "Parem os ciclistas". Fiquei curiosa e fui ler o artigo na íntegra. Foi quando me deparei com uma série de atrocidades sobre ciclistas e o movimento por mobilidade urbana.  Li 2..3..4 vezes tal artigo para ver se não havia lido nada errado. Incrivelmente, não. 

O artigo é um rosário de #mimimis contra ciclistas. Tudo começou com um "encontrão" entre o senhor autor e um ciclista em um parque de São Paulo. Encontrões esses que são comuns, ainda mais em parque onde não há pista exclusiva para ciclistas (o que não sei pois não conheço esse parque). Local de convivência comum, ainda mais para esporte e lazer, tem que estar atento o tempo todo.  Compreendo que em alguns locais essa convivência não seja fácil, mas colocar todos na mesma balança foi algo ignorante demais.

Entretanto, devido ao "encontrão" houve uma discussão e eis que se inicia um ataque "ciclofóbico" do autor do artigo.

Inicialmente transforma todos em bandidos, ou melhor, cachorros - ao denominar o grupo "uma matilha". Além de jocosamente definir o ciclista como: "sujeito alto, de collant amarelo-limão, óculos de surfista e capacete". Isso me leva a crer que o autor deve ser baixinho, fora de forma e ter algum trauma com óculos esportivos. 

E ainda denominar a "horda cicloativista" de "kamikazes urbanos".

Nada justifica violência e discussão. Ele mesmo admite que estava no lugar errado. O choque de um ciclista em treino com um pedestre pode ter consequências terríveis. Para ambos. Era uma questão de atenção. Mas reitero, nada justifica violência, verbal ou física.

Mas é mais fácil vitimizar e desenrolar uma série de ofensas e choramingos. Bem se percebe que esse senhor não tem contato com a realidade do ciclismo nem mobilidade urbana. Achei lamentável tomar um ponto isolado como regra geral e transformar todos os ciclistas e simpatizantes da mobilidade urbana em um grupo terrorista pronto a atacar qualquer pedestre ou em serial killers sobre rodas.

Em tempos de sustentabilidade, Rio +20, criticar a mobilidade urbana e as manifestações populares em prol de um trânsito melhor e meio ambiente mais limpo, esse senhor vem no sentido contrário, DESDENHANDO a democracia - pilar fundamental do Estado Democrático de Direito. 

Segue link da matéria na íntegra: http://revistaepoca.globo.com/cultura/luis-antonio-giron/noticia/2012/06/parem-os-ciclistas.html





29 de mai de 2012

IRONMAN BRASIL 2012 - Reflexões


PÓS PROVA
Quando vc termina o IM, a vontade que dá é nunca mais passar por isso. Foram meses de sofrimento, treino, abdicação, dedicação, investimento para fazer uma prova com dores. Jurei que Ironman não queria tão cedo.
No dia seguinte, já descansada, os pensamentos mudam. Dois dias depois então, a vontade é de voltar treinar e fazer outro ironman! Incrível! É uma prova mágica!!! E 2013 irei fazer IM novamente!
Contudo ninguém faz um ironman sozinho. Você pode até fazer uns treinos solo e arcar com o investimento. Mas a torcida, o apoio moral, o suporte nos momentos difíceis também fazem parte do treino. Então é justo eu reconhecer quem esteve ao meu lado – seja nos 12 meses ou na torcida no dia da prova.
Primeiramente: Deus. Sem ELE nada é possível. Entre tantas lições nesses 12 meses, saí confiante e segura. Sem fé nada acontece.
Meus pais – suporte, alicerce, esteio. Sou abençoada em tê-los. Haja paciência para ter uma filha ironwoman, doutoranda, professora. Porto-seguro e força na hora da dificuldade. Amo muito.
Meu treinador, Alexandre Perdão. 3 anos juntos de muita parceira, amizade, apoio e muitas dificuldades passando juntos. Meu eterno reconhecimento, admiração e agradecimento. Topou o desafio de me treinar pro Iron e fomos até o fim. Obrigada coach! Sou Ironwoman, graças a você!
Meu amigo e parceiro de treinos: Marcelo Bronze. Mesmo a distância, sempre disposto a me ouvir e sempre preocupado comigo. Queridão: adoro você. #3F sempre.
Minhas amigas: Roberta Maia, minha terapeuta, parça, sister, minha tri amiga que adoro demais e sempre esteve ao meu lado; Débora Viana e Patrícia Gomes, as duas cookies do meu coração, que sempre me ouviram, me aconselharam, me apoiaram; Dani Bridi, que segurou umas barras comigo.
Pessoal da Evolua Multisports, que me acolheu generosamente em Brasília – Éder Vilanova, Samuel Viana e Victor Pikina.
Ao meu amigo Wolfgang Gaase,  pela amizade ao longo de tantos anos (e por madrugar pra me ajudar com a inscrição, um ano atrás).
Ao meu anjo da guarda no fds do Ironman: David Homsi.
Aos amigos e amigas que ligaram e mandaram mensagens (celular, twitter e FB) antes do IM, se preocuparam durante e me encheram de carinho depois. Foram muitas mas muitas mensagens, porém tenho que registrar um agradecimento especial: Cris Kempinski e Rodrigo Fonseca, Sérgio Rocha (CR), Thiago Rodolfo [ :) ] , Karina Brandt, Regina Takahira, Aline Martinelli, Danilo Friolani, Ricardo Bacelar, Fernando Jordy, Cintia Esteves, Andre Choma, Jussara Tuma, Marcos Burger, Adolfo Neto, Harry Thomas Jr,Alexandre Abreu e Ediléia Diniz, Angela Almeida e Alexandre Scaldaferri. E também meu colega debut em IM, Rodrigo Montoro, super guerreiro.
E a todos os novos amigos que torceram e acabei conhecendo depois.

Galera, muito obrigada! Tão importante quanto treinar, é saber que temos amigos torcendo e enviando energias positivas. Levei todos vocês comigo, o percurso todo. Foram muitas pessoas, não vou conseguir colocar o nome de todos, sintam-se abraçados.

Queria terminar aquela prova. Poucos de vocês sabem o quanto foi dificil chegar aqui, quantas lágrimas foram derramadas, quantas dúvidas, quantos problemas. Cruzar aquele pórtico me faria uma ironwoman em todos os sentidos. Seria virar uma página, fechar um ciclo, começar uma folha em branco com uma caneta nova. E assim foi e assim será.  

Parabéns a todos os Irons, independente de tempos, podem dizer:


IRONMAN BRASIL 2012 - O GRANDE DIA


O DIA DA PROVA
Dormi bem. Acordei motivada. Café da manhã de acordo e a adrenalina subindo. Chegando na ironman city, arrumar a transição, checar as sacolas e partir para a largada.
E que largada da natação!! Era um mar de triatletas “emborrachados”... Demais o clima! O nascer do sol e nós largando naquela manhã que prometia um dia maravilhoso.
A primeira puxada, até a primeira boia, foi tranquila, tanto que fiquei bem empolgada com meu tempo. O retorno para a boia em terra foi mais complicado porque entrou a correnteza e a natação ficou mais difícil. Porém, sob controle. Levei apenas 2 chutes até então. Contornando a boia na areia, vi minha mãe e foi um alento e motivação para a segunda perna. A ida para a próxima boia foi igualmente ruim. Correnteza ainda puxando, abri uma barriga. Mas pensei: “pra quem tava com medo da natação, vc já cumpriu mais de 2/3 da prova. Ta chegando!!” Então acelerei e quando vi já estava concluindo a natação. Foi uma alegria sem fim aquele momento.
A T1 foi demorada pois tinha que me “aparamentar” toda para os 180km de ciclismo que viriam. Saí bem para o pedal, sem as dores no ombro que me atormentaram 1 mês antes do ironman e nem na lombar. Primeira volta de 90km fui bem. Cabeça 100%. Motivada e tranquila. Na segunda volta, caí no km130, no special needs. Quando fui desmontar da bike, o staff soltou-a e eu cai batendo as costas (lombar e sacra) no meio fio. Na hora a dor foi imensurável...eu chorava e dizia que não queria acabar meu IM ali. Prontamente o coordenador veio, me imobilizou e deu o atendimento inicial, inclusive me acalmando. Disse que o médico precisava ver por ser trauma de coluna. Fiquei ali paradinha esperando. E então fui liberada pois eles acreditaram ter sido o impacto da pancada somente. Voltei os 50km com média de 22km/h de tanta dor. Na beira-mar Norte, juro que pensei em parar. Fui indo, indo e decidi tentar chegar até a transição. No caminho tive o privilégio de pedalar ao lado dos irmãos Arthur e Hudson Pires, que estavam numa energia contagiante. Ali foi uma injeção de ânimo para chegar na T2 -  e ali pensaria se sairia para a maratona ou não.
Chegando próximo a transição, contei com o apoio do meu anjo da guarda nesse IM: David Homsi. Não me deixou nem pensar em pensar em não correr. Já foi me colocando pra cima, dando força, ajudando. Foi tudo tão automático que calcei o tênis, alonguei, peguei gel e jujubas e fui para a corrida...quando vi já estava com ritmo encaixado, correndo com dores mas correndo!
A primeira volta – 20km- foi INCRÍVEL! Amei cada km desse percurso. Não tinha como desistir ou ir mal. Fechei dentro do previsto esta volta. A volta seguinte – 10,5k- já foi mais chata, porém sob controle. Ainda conseguia correr, mesmo com as dores aumentando. A ultima volta foi uma alegria só. Corri com duas triatletas – Juliana (RJ) e Beth (SP) e nem senti 10,5k. Meninas incríveis. Fizemos um super trio para voltar. Quando percebi estava na Av. Búzios, no Il Campanaro, e logo vi o pórtico de chegada. Foi incrível! Eu só pensava: “eu corri 42km com dores e não senti cansaço. Não vi nem passar e to com tanta dor. Como é que pode?”
Bati no David ainda..na passagem para o pórtico...e quando vi toda aquela festa: “Vivian, vc é um ironman!” É SENSACIONAL.
Fui comer, hidratar, retirar a bike e me despedir dos amigos. Ainda tinham atletas perseverando e correndo. Lindo de se ver.
Enfim, indo pro repouso do guerreiro.